A vida como uma cordilheira

Quando fazemos um projeto de vida ou planos para a vida, olhamos para o futuro imaginando estarmos num pico bem alto. Esta imagem metafórica, mostraria que atingimos nossos objetivos e vencemos. Mas a vida está mais para uma cordilheira, do que apenas o alto de uma montanha, pois o que encontramos de fato é uma série de montanhas menores, vales com vegetações variadas e temperaturas oscilantes.

Como uma profissional do comportamento humano, me vejo rodeada de histórias onde o cenário de uma cordilheira é o que melhor descreve os relacionamentos humanos com dores e amores. Como uma mulher transitando na contemporaneidade, experiencio a cordilheira da vida

  • com momentos de vales onde semeio
  • momentos de subida íngreme onde junto forças para vencer desafios
  • momentos  de morro à baixo onde preciso de suporte para não cair e me machucar violentamente
  • momentos de topo da montanha onde visualizo tudo que já conquistei, celebro vitórias, finco bandeira e permaneço pouco tempo, pois as condições ambientais nunca são favoráveis para permanecer

A escolha de como experienciar os momentos da vida com todas as intempéries, ainda é uma tomada de decisão única. Cada pessoa sabe seu limite, mas pode lançar mão de apoio em todos os momentos. Não fomos esculpidos para nos bastar na solidão. Podemos ser seletos para compartilhar pensamentos, sentimentos, ideias, projetos… mas desejamos compartilhar.

No vale, semeamos e colhemos frutos (imagem do Google)

 

Às vezes, nos vemos enleados em relacionamentos onde o sentimento de insignificância brota diariamente, como se o vale da morte fosse a única configuração geográfica existente na cordilheira da vida. A sensação, é que não temos alternativa. Que nossa existência pouco importa, quando olhamos ao redor. Que na realidade ninguém se importa com o que somos, fazemos e temos. E num processo de morte, vamos retroalimentando nossa insignificância, muitas vezes reforçada por aqueles que mais amamos.

Mas, quem ama não mata!

Quem ama, embarca no nosso sonho, sonhando junto.

Quem ama, cuida das necessidades básicas e partilha o alimento e o cobertor.

Quem ama, sabe que aprimoramento é saudável e apoia o crescimento.

Quem ama, vivencia as emoções positivas sociabilizando as conquistas.

Quem ama, não precisa estar no topo da montanha com você, para sentir toda a emoção que dá sentido à sua existência, pois compaixão é sentir junto, e é a base de todo e qualquer relacionamento de amor.

Em que geografia está a cordilheira da sua vida, agora?

Se você está num relacionamento abusivo, saiba que sempre existe alternativa. Busque ajuda!

Este vídeo me impactou grandemente pela sensibilidade e realidade, vivida mundialmente.

 

Lembre-se: como uma cordilheira, a vida tem vários “terrenos” e muitas possibilidades!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *